Quanto ganha um engenheiro eletricista?

engenheiro elétrico

Já pensou viver em um mundo sem energia elétrica? Diante de tantos avanços possibilitados pela tecnologia, é difícil imaginar essa possibilidade. Afinal, a maioria dos dispositivos eletrônicos que utilizamos no nosso dia a dia depende dela. Então, já se questionou quanto ganha um engenheiro eletricista?

Esse profissional — que muitos conhecem como engenheiro elétrico — é responsável por levar energia elétrica a todos. Ele tem como funções principais planejar, desenvolver e testar aparelhos que serão implementados em sistemas elétricos.

Quer saber mais sobre o salário e as possibilidades de atuação para quem faz o curso de Engenharia Elétrica? Então, continue a leitura e descubra quanto ganha um engenheiro eletricista!

Qual é a média salarial do engenheiro eletricista?

Para trabalhar como engenheiro eletricista, é necessário concluir a faculdade de Engenharia Elétrica em uma instituição reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC) e se registrar no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA) do Estado de atuação.

A Lei nº 4.950-A, de 22 de abril de 1966, regulamenta o salário do engenheiro eletricista, com um pagamento mínimo que varia de acordo com a jornada de trabalho:

  • 6 horas diárias — 6 salários mínimos;
  • 7 horas diárias — 7,25 salários mínimos;
  • 8 horas diárias — 8,5 salários mínimos.

Outros fatores influenciam o salário do engenheiro eletricista, como a área de atuação e o experiência profissional. É comum que o profissional inicie a carreira em nível júnior ou trainee. Nessa situação, a remuneração pode ser diferente dos valores indicados na tabela do CREA.

Esses níveis profissionais podem durar de 2 a 5 anos e são importantes para que os engenheiros recém-formados aprendam um pouco mais sobre a profissão e possam se desenvolver na carreira.

Em média, o trainee em Engenharia Elétrica recebe remuneração inicial de R$ 2.670 e pode chegar a R$ 5.158. A média salarial no Brasil para esse nível de contratação é de R$ 3.918. Já o engenheiro eletricista júnior ganha em média R$ 7.484,03.

Quais são as áreas de atuação mais valorizadas?

A Engenharia Elétrica tem vagas em diversos setores. Independentemente da área em que você deseja atuar, aqui na Unopar oferecemos oportunidades exclusivas para os alunos por meio do Canal Conecta, que reúne empresas e profissionais de segmentos variados — além dos saberes compartilhados em sala de aula virtual.

Conheça algumas possibilidades de atuação com cada vez mais destaque no mercado de trabalho.

Geração de energia

Quem deseja atuar na área de energia encontra boas oportunidades, especialmente por causa:

  • do aumento nas obras de construção civil;
  • do crescimento populacional;
  • do surgimento, nos mais diversos setores, de indústrias que precisam de um abastecimento correto de eletricidade para a sua operação.

Os negócios que mais buscam engenheiros eletricistas são as usinas eólicas, hidrelétricas e solares. Nelas, o profissional é responsável pela geração de energia e pela elaboração dos projetos elétricos das indústrias.

No segmento da geração de energia elétrica, o seu trabalho é voltado para o desenvolvimento de sistemas de armazenamento, de aparelhos para captação e de redes de distribuição. Além disso, a atuação do profissional de Engenharia Elétrica pode se estender para as companhias elétricas e para as subestações responsáveis pelo fornecimento e pelos ajustes de eletricidade para as residências.

Nesse setor, o engenheiro eletricista recebe, em média, R$ 8.216,85 para uma jornada de trabalho de 40 horas semanais, com teto salarial de R$ 18.413,88.

Telefonia

O Bacharelado em Engenharia Elétrica da Unopar permite trabalhar no setor de telecomunicações — área que oferece boas oportunidades para o engenheiro eletricista. Além disso, o salário é bom: o engenheiro de projetos de telefonia tem remuneração média de R$ 5.267,48 para uma jornada de trabalho de 42 horas semanais.

São algumas atividades realizadas por esse profissional:

  • o desenvolvimento de serviços de telefonia e de expansão;
  • a criação de redes;
  • o estabelecimento da tecnologia 5G para dispositivos móveis;
  • a projeção de sistemas e redes;
  • a construção de sistemas de processamento e comunicação digital.

Saúde e Biomedicina

É isso mesmo: o engenheiro eletricista pode atuar na área da saúde e ajudar a desenvolver o setor. Nesse caso, a sua principal função está relacionada com a construção e a projeção de equipamentos biomédicos.

O profissional também ajuda laboratórios, hospitais e clínicas que precisam de equipamentos médicos para a realização de cirurgias, a criação de vacinas e os atendimentos em geral. O salário de um engenheiro biomédico pleno é, em média, de R$ 6.109,47.

Nanotecnologia

O engenheiro eletricista é um dos profissionais que mais utilizam aparelhos criados com a nanotecnologia. O termo é uma homenagem ao nanômetro — um aparelho de medição — e se refere à capacidade de desenvolver e manipular materiais em escala nanométrica (equivalente a 1 bilionésimo de metro).

Em parceria com a Engenharia Elétrica e tantas outras áreas, a nanotecnologia permite a criação de:

  • roupas mais leves e que têm alta resistência a radiações e a impactos;
  • pinturas com revestimento contra corrosão;
  • filtros solares com alta capacidade de bloquear raios ultravioleta;
  • dezenas de produtos inovadores.

Podemos comparar o salário do engenheiro eletricista que atua nessa área ao do engenheiro de materiais, que é de R$ 8.062,15, em média.

Construção civil

A construção civil é uma área multidisciplinar. Nesse setor, o engenheiro eletricista pode atuar projetando os circuitos elétricos necessários para apartamentos, casas, edifícios, condomínios, prédios comerciais e indústrias.

E não é só isso. Esse profissional cuida ainda da manutenção e da elaboração de projetos para qualquer tipo de geração de energia que essas obras necessitam, com o objetivo de evitar acidentes e sobrecargas.

Em nível de comparação, o salário médio do engenheiro civil é de R$ 7.752,86. Logo, o engenheiro eletricista pode receber a mesma faixa salarial nesse setor.

Agora que você sabe quanto ganha um engenheiro eletricista, precisa investir em uma formação de qualidade. Na Unopar, a Engenharia Elétrica EAD é oferecida nas modalidades de ensino semipresencial (além do formato tradicional presencial). O curso fornece os conhecimentos necessários para analisar a viabilidade de projetos de geração e distribuição de energia, além de realizar procedimentos técnicos de avaliação, vistoria e realização de perícias.

Gostou de saber mais sobre a área? Então, não deixe de fazer a sua inscrição no curso de Engenharia Elétrica EAD!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 3.7 / 5. Número de votos: 3

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção da carreira dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.