O que é a Fisioterapia Intensiva e como atuar na área

fisioterapia intensiva

Um dos passatempos mais comuns para quem deseja fazer o curso de Fisioterapia é pesquisar informações sobre o mercado de trabalho dos fisioterapeutas. Afinal, essa é uma área que permite carreiras bem diversas e com forte impacto positivo na saúde da população. Um bom exemplo disso é o segmento da Fisioterapia Intensiva.

Porém, se você ainda não está por dentro do que ele representa na prática e como é a atuação do profissional nesse campo, sem problemas! Neste post, você vai encontrar tudo a respeito do assunto. Preparado? Vamos lá!

O que é Fisioterapia Intensiva?

Ela é uma das 15 especialidades da Fisioterapia estabelecidas pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito). O foco está no atendimento, no diagnóstico e no tratamento de pacientes que apresentam alguma limitação ou paralisação total nos movimentos, na locomoção, na capacidade respiratória e na circulação sanguínea — o que pode levá-los imediatamente a serem internados nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

Essa área ainda é bastante nova dentro do ramo, pois foi reconhecida apenas em 2011 por meio da resolução nº 402/11 do Coffito. Apesar disso, ela tem atraído cada vez mais estudantes universitários e profissionais que já estão na ativa no mercado. É um segmento que oferece estabilidade, bom retorno financeiro e ótimas opções de crescimento ao longo da carreira. Ou seja, uma atividade promissora, não é mesmo?

Qual é a importância da Fisioterapia Intensiva?

A importância da área é bem fácil de explicar: sem a atuação do fisioterapeuta intensivista, muitos pacientes podem desenvolver complicações no funcionamento do organismo, causando paradas cardiorrespiratórias e, consequentemente, a morte deles.

Ou seja, é uma profissão que não apenas reabilita o estado de físico das pessoas, mas que promove a vida (e luta por ela). Isso só é possível por meio da recuperação da saúde dessas pessoas graças ao uso de técnicas fisioterapêuticas, aplicação de testes fisiológicos e anatômicos, prescrição de próteses e uso de aparelhos etc.

Como funciona a atuação do fisioterapeuta intensivista?

Ao contrário do que se imagina acerca de como funciona a Fisioterapia Intensiva, ela não se restringe à UTI. Esse é, sem dúvidas, o principal local de trabalho do profissional da área. No entanto, ele também pode atuar nas enfermarias e nos centros de reabilitação dos hospitais, nos serviços ambulatoriais e no atendimento domiciliar — quando o paciente não tem como ir até uma instituição de saúde para continuar o tratamento necessário.

Além disso, há muitos profissionais que se especializam na área, mas seguem carreira no campo da auditoria e perícia hospitalar. Ou seja, trabalham avaliando e identificando problemas com procedimentos internos, custos com materiais, implementação de tecnologias assistivas, ampliação de unidades fisioterapêuticas e muito mais.

Qual o perfil de paciente do fisioterapeuta intensivista?

São pacientes que estão em estado crítico, muitas vezes, correndo risco de vida, por conta de doenças, acidentes, degeneração natural ou vítimas de lesão corporal. Devido a isso, eles precisam de um tratamento intensivo para reabilitar as funções musculares, esqueléticas, vasculares ou mesmo respiratórias que são essenciais para o organismo.

Alguns fisioterapeutas podem se especializar no atendimento de pacientes específicos. O Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional reconhece três possibilidades. A primeira é na ala pediátrica, acompanhando crianças e adolescentes.

A segunda é ala de neonatologia, na qual eles prestam suporte para gestantes e recém-nascidos. A terceira e última é a ala geral de adultos, embora seja comum uma subdivisão focada apenas nos pacientes geriátricos.

Qual é a média salarial de um fisioterapeuta intensivista?

Se você tem curiosidade em saber a média salarial de um fisioterapeuta intensivista, então, fique atento: a remuneração desse profissional gira em torno de R$ 3.124,00*, de acordo com o levantamento do site Vagas.

Porém, essa média não significa, obrigatoriamente, quanto você vai ganhar na sua carreira, viu? É que esse setor em específico conta com muitas oportunidades de concursos públicos ao nível municipal para quem deseja atuar no Sistema Único de Saúde (SUS).

Além de terem uma faixa salarial diferenciada, os concursos ainda trazem benefícios, bonificações e até mesmo adicionais — por conta de carga horária exercida, do risco de insalubridade no local de trabalho, da realização de plantões, da atuação em linha de frente em caso de desastres naturais ou pandemias etc.

Além disso, você sempre tem a possibilidade de atuar em mais de dois campos da Fisioterapia para conquistar mais pacientes e diversificar os seus serviços.

Inclusive, ainda há aqueles profissionais que empreendem, abrindo clínicas de reabilitação fisioterapêutica, cuidados paliativos ou atendimento multidisciplinar (com colegas de outras áreas da saúde, como Psicologia e Nutrição).

Qual é a formação necessária para atuar na área?

Depois de prestar o vestibular na internet aqui na Unopar para a graduação em Fisioterapia, você deve se matricular no curso e cumpri-lo até o fim. Ele dura 5 anos e pode ser feito nas seguintes modalidades: faculdade semipresencial ou presencial. Após concluir essa formação, será necessário iniciar uma residência em Fisioterapia Intensiva –– que leva, em média, 2 anos para ser finalizada.

Depois desses 7 anos de muito estudo e dedicação, você terá a qualificação acadêmica necessária para assumir um cargo de fisioterapeuta intensivista. Justamente por ser um investimento a longo prazo, é importante se formar em uma faculdade de qualidade.

A Unopar conta com diferentes parcerias e convênios, ótima infraestrutura nos campi e nos polos de educação, processo de avaliação continuada — no qual os esforços dos alunos são reconhecidos ao longo do curso — e parceria com o Canal Conecta. Essa plataforma exclusiva ajuda a aumentar as suas chances de empregabilidade.

Para ter o título devidamente reconhecido de especialista na área, é preciso entrar em contato com o Coffito para que eles o registrem dessa forma. Em alguns casos, o órgão pode aplicar o chamado “Exame para Concessão de Título de Especialista Profissional” para testar o seu nível de conhecimento no campo.

Dê o primeiro passo na sua carreira!

Depois de ler sobre a Fisioterapia Intensiva, você ficou ainda mais animado em se formar para atuar na área e auxiliar diversas pessoas a recuperarem a saúde e terem mais qualidade de vida?

Pois veja o que é preciso para se inscrever em nosso vestibular e começar os seus estudos em Fisioterapia!

*Sujeito a alterações

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 5

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção da carreira dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.